Madi - Missangas de Cor

Cristiano Valcorba (n. 1937), Vicente (1963); Madi (n. 1940; pseudónimo), O Livro da Primeira Classe, Missangas de Cor (1963).

 

Cristiano Valcorba, que havia nascido em Ponta Delgada, Açores, exercia a profissão de empregado de comércio. De acordo com a nota bibliográfica apresentada neste opúculo, até então havia publicado poesias e estudos ensaísticos na imprensa local, não havendo notícia de que tenha publicado posteriormente qualquer outra obra.

 

Por sua vez, Madi (obviamente um pseudónimo ou diminutivo) havia nascido em Elvas, Alentejo, tendo-se radicado em Luanda no início da década de 1950. A exemplo do que acontece com Valcorba, não há qualquer outro registo de publicações posteriores, apenas se sabendo, pela nota bibliográfica, que tinha particular interesse por literatura infantil e colaborava no jornal a província de Angola.

 

O conto Vicente narra-nos o episódio de um vagabundo, Vicente, que, num domingo e numa cidade quase deserta, após dezoito horas sem comer, recusa a oferta de pão com doce porque lhe apetecia pão com queijo. Reflexão sobre algumas causas da mendicidade e da caridade, esta é também uma reflexão sobre a dignidade e a liberdade individual.

 

Os dois contos de Madi colocam-nos perante inesperados e peculiares actos de maldade. No primeiro, encontramos dois ardinas que procuram poupar o suficiente, 17$50, para comprar um livro através do qual possam aprender a ler. Quando o conseguem, o tio de um deles descobre o livro, espezinha-o e agride o sobrinho por este não lhe ter entregue as suas economias. No segundo conto encontramos a ingénua Macuto, que acaba por ser despedida devido a um maquiavélico mal-entendido provocado pelo ciumento Sucuri.

 

Como nota curiosa, refira-se que a ausência de concordância no género e número das palavras, ou as incorrectas conjugações verbais, recurso estilístico utilizada por Madi nos seus dois contos para acentuar o discurso das personagens nativas, muitas vezes ridicularizado e apontado pelos europeus como exemplo da sua ignorância, tem uma irónica contrapartida na palavra utilizada para o título de um dos seus contos, pois o vocábulo missangas, muito compenetrada e superiormente utilizada pelos falantes de Português, encerra em si um duplo plural – em Quimbundo, missanga é, de facto, o plural da palavra (u)sanga.

 

Do conto Missangas de Cor transcrevem-se de seguida alguns parágrafos:

 

"A mulher tirou as mãos das ancas e refilou, ameaçadora, cuspindo o chão.

 

– Teu pai é que ter razão, você só gosta brincar. Quando você aprende falar como pissoa?

 

– Mamã não zanga – pediu – mas eu sabe que faz.

 

Mamã gritou-lhe mais zangada ainda.

 

– Não sabe! Por isso eu vai dizer.

 

Macuto tornou a encolher os ombros, olhando-a resignada.

 

– Fala.

 

– Sinhor António gosta pretas, você vai ter cuidado, eu está te avisar. Minino não, esse anda namorar com minina branca, bonita mesmo, não vai ligar no preta, anda no liceu, é educando [sic].

 

Macuto, enrolando os panos melhor a si, contou o que a senhora lhe prometera.

 

– Dona Mariquinhas disse dispôs mi vai dar vistidos.

 

A mulher voltou a cuspir o chão, incrédula.

 

– E você acreditou?

 

– Sim. E sandaletes com correias. Sinhora diz não quer preta de panos no seu casa.

 

– Mas você não vai ficar vaidosa? Rapariga vaidosa fica vadia dipressa.

 

– Haka, mamã!

 

– Você não seja mal inducanda [sic], seu pai no quiria deixar ir no você porque o seu cabeça ainda não presta e disse se você vier vadia não recebe no seu casa.

 

Quando esfregava a roupa, debruçada no tanque grande ao fundo do quintal, Macuto pensava sempre naquelas palavras. – «É priciso não dar confiança nos brancos nem nos pretos.» – «Sinhor António gosta di pretas, minino não, é educando [sic].»

 

Sucuri, o cozinheiro, no primeiro dia, enquanto lhe ensinava onde estava o sabão, onde devia ir buscar a roupa suja, o carvão para passar, também lhe dissera:

 

– Minina, eu já conhece você muito tempo; por isso eu lhe vai dizer qui pricisa ter muito juízo.

 

Macuto rira-se dele.

 

– Você não tem medo, eu sabe lavar bem e engomar, mamã me ensinou, eu já lavar roupa muito tempo no meu casa.

 

Sucuri ficara desarmado; aquela rapariga era mesmo parva, parva sim, estúpida, não fora isso que ele quisera dizer.

 

Pegou-lhe num braço para a chamar à atenção por outras palavras.

 

– Minina...

 

– Haka! Tira à mão, rapaz – disse, dando-lhe uma palmada e recuando – mamã disse para eu não dar confiança nos brancos nem nos pretos.

 

– Sua mãe disse isso?

 

– Disse, por isso você vai pôr pata noutro sítio, Macuto não é preta vadia com quem você costuma andar."

 

© Blog da Rua Nove

publicado por blogdaruanove às 22:41 | comentar | favorito