Eduardo Teófilo - Quando o Dia Chegar

Capa de Fernando Marques (datas desconhecidas), sob ideia de Eduardo Teófilo.

 

Eduardo Teófilo (1923-1980), Quando o Dia Chegar (1962).

 

Como já foi referido anteriormente (http://literaturacolonialportuguesa.blogs.sapo.pt/2711.html), embora Eduardo Teófilo tivessse chegado a África na década de 1950, mais precisamente em 1954, a sua ficção não reflectiu de imediato essa experiência.

 

De facto, a sua produção da década de 1960 ainda se dividia entre uma temática especificamente evocativa dessa experiência africana e uma temática mais genérica, que poderia traduzir cenários e problemáticas aparentemente mais universais.

 

Este volume, editado pelas publicações Imbondeiro, de Sá da Bandeira, Angola, e galardoado com o prémio Fialho de Almeida, testemunha essa mesma divisão.

 

Dos vinte contos aqui publicados, apenas metade traduzem ou evocam uma temática ou um cenário africano – Batuque, Briga Antiga, D. Rodrigo, Passageiro Clandestino, Encontro, Retorno, A Sorte Grande, Um Colo de Garça Negra, O Regresso e Um Caçador.

 

Do conto Batuque transcrevem-se alguns parágrafos:

 

"Os sons continuam a vir, cavos e monótonos, num ritmo sempre igual, mas mais percutido, mais acelerado, os braços caindo rápidos e descontraídos sobre as peles esticadas dos tambores, ou sobre os fundos das latas, cabeças dos músicos marcando o compasso, para cima e para baixo, num frenesim, enquanto, em volta das chamas que se erguem para as estrelas, os bailarinos se agitam, se contorcem, unindo a cabeça com os joelhos, em saltos impossíveis, mexendo os braços para trás e para a frente, numa mímica difícil de compreender, empurrando-se uns aos outros, seguindo em fila, lançando gritos, assobios, enquanto que uma melopeia de fundo se escuta, monocórdica, sempre igual, sempre as mesmas palavras, talvez o mesmo verso ou a mesma lenda. Há crianças, também, pitorros nus, de três e quatro anos, que esbracejam, revoluteiam, se enrodilham entre os pés dos maiores, que os não vêem sequer, alucinados pelo ritmo, sempre cada vez mais desenfreado, dos tambores e latas. São depois as mulheres, jovens e velhas, enroladas nos panos coloridos de desenhos estravagantes, que cantam e dançam à volta dos homens. As crianças param, olham as mães e ficam-se, sentadas à roda do lume, junto aos músicos que transpiram por todos os lados, mas não se cansam de entoar sempre a mesma melodia e de bater, cada vez mais desenfreadamente, os fundos das latas e os couros das seixas e dos veados.

 

E as mulheres bailam de roda dos homens, atiram-se-lhes para a frente, chegam-se-lhes, afastam-se-lhes, requebrando os rins, remexendo o ventre, numa fúria cada vez maior, numa dança de amor, talvez. Algumas trazem os filhos de mama, enrolados nos panos, às costas. As crianças dormem e as mães bailam. E elas parece começarem já a apreciar a dança por instinto, por sugestão, embaladas no seu sono pelos requebros e meneios das costas balançando.

 

Procuro com a vista o soldado que se honra como batuque festivo. Não dança. Bebe vinho de palma com os chefes, enquanto os seus olhos parecem rir da ingenuidade do bailado, ele que já viu muito mundo, que dançou danças de brancos pelas cidades da costa e pelos portos por onde tocou, que conheceu raças diferentes da sua e dos brancos que os seus conhecem, que viu outras cores de peles noutros rostos de mulheres. Ele é um sábio para o seu povo, pois que sabe contar histórias de outras gentes, de outras terras que os seus nunca viram e desconhecem. Os chefes bebem-lhe as palavras, enquanto ele fala num ar superior, e inventa, talvez, histórias que nunca conheceu.

 

– Uma vez, lá em Goa, fomos numa dança grande de indianos. As mulheres não são negras nem brancas. A sua pele tem a cor do capim a secar e é macia, mas não tanto como a das nossas mulheres. E os olhos são grandes e fundos e quando olham a gente parece quererem entrar no nosso coração, pelas janelas dos olhos da gente.

 

E, enquanto fala, o púcaro do «marufo» adocicado nas mãos grandes, fita, de olhos esgaseados as mulheres da sua raça, que não têm a pele de azeitona, mas de negro retinto, e que rodopiam sem cessar, balançando, balançando."

 

© Blog da Rua Nove

publicado por blogdaruanove às 22:49 | comentar | favorito