07
Abr 10

Fausto Duarte - Foram Estes os Vencidos

 

Fausto Duarte (1903-1953), Foram Êstes os Vencidos (1945).

 

Com este volume de contos Fausto Duarte demonstra a sua versatilidade narrativa, afastando-se da imagem de escritor de temática exclusivamente colonial que o sucesso da novela Auá (1934; cf. http://literaturacolonialportuguesa.blogs.sapo.pt/7517.html) tinha criado.

 

De facto, das sete narrativas apresentadas apenas quatro – Os Degredados, O Mestiço, O Gomil de Prata e Regresso, decorrem em África, concretamente na Guiné, as três últimas, e nas costas subtropicais a primeira.

 

Os restantes três contos oferecem uma localização espacial dispersa – Evamaria na Alemanha, Renúncia algures no oceano, e em Inglaterra, e Ressurreição em Portugal.

 

© Blog da Rua Nove

publicado por blogdaruanove às 15:50 | comentar | favorito
28
Fev 10

Fausto Duarte - Auá

 

 

Fausto Duarte (1903-1953), Auá (primeira e segunda edições, 1934).

Na capa, fotografia de Francisco de Oliveira (datas desconhecidas), exibida no Salão Internacional de Fotografia, Paris, 1933.

 

Com esta obra, Fausto Duarte recebeu o primeiro prémio de literatura colonial para 1934, tendo publicado posteriormente O Negro sem Alma (1935), Rumo ao Degredo (1938), A Revolta (1945) e Foram estes os Vencidos: Contos (1945). Neste último volume anunciava-se ainda a preparação do romance Os Escravos, de que não há registo de publicação.

 

Pouco antes de falecer, foi ainda guionista do filme Sortilégio Africano (também conhecido como Chikwembo!, 1953), realizado por Carlos Marques (datas desconhecidas).

 

Surgindo numa linha que se assume de algum modo como herdeira das obras de análise social e retrato psicológico de Abel Botelho (1854-1917; cf. http://blogdaruanove.blogs.sapo.pt/18759.html) – o próprio autor, na introdução, declara "Auá – documentário etnográfico – é também um novo capítulo da psicologia indígena." – este texto, para além de incluir diversas expressões em língua Fula, inclui ainda largas passagens em Alemão, factos que contribuem para um certo hermetismo do discurso narrativo. A isto soma-se também um constante recurso a palavras eruditas, em Português, que afectam a fluência discursiva e originam certa perplexidade na leitura, como se constata no seguinte excerto:

 

"Em Sare-Sincham a algazarra era infernal. Centenas de indígenas espalhados pela  tabanca envolta na clâmide branca do luar que descia incorpórea do plenilúnio, escutavam a toada rítmica dos balafons e as melodias árabes que os judeus, tocadores de nhanhero, cantavam com esgares de escárnio. Pouco a pouco formava-se o círculo onde o côro das raparigas fulas, vestidas garridamente para a festa, palmeava acompanhando a cadência ruïdosa dos tambores."

 

A narrativa desenvolve-se à volta de Malam, um Fula que vive em Bissau e se desloca à sua tabanca, Sare-Sincham, para desposar Auá. O percurso entre estas duas localidades, atravessando Mansoa, Bafatá, Geba e Contubo-el serve de pretexto para pequenas descrições da paisagem e das populações guineenses, culminando com a estadia na zona de fronteira que é Sare-Sincham e a referência a alguns usos e costumes das tabancas das redondezas – Cadembele, Malibula, Patinbal-a e Sare-Bailela.

 

Tal como em Na Terra do Café (1946; cf. http://literaturacolonialportuguesa.blogs.sapo.pt/4526.html) de Metzner Leone (1914-1987), um feiticeiro-curandeiro indígena, o marabu Issilda, aproveita-se do seu estatuto para forçar situações de intimidade com as personagens femininas. Neste caso, a situação conduz a um desenlace desagradável para todas as personagens principais, culminando com a morte de Issilda e a separação entre Auá e seu marido Malam.

 

© Blog da Rua Nove

publicado por blogdaruanove às 16:09 | comentar | ver comentários (1) | favorito