04
Fev 19

Nuno Bermudes - Gandana

Capa e ilustrações de José Pádua (n. 1934).

 

Nuno Bermudes (1924-1997), Gandana e Outros Contos (1959).

 

Primeiro volume da Colecção Prosadores de Moçambique, um projecto editorial do jornal Notícias da Beira continuado com Cães da Mesma Ninhada (1960; cf. https://blogdaruanove.blogs.sapo.pt/339350.html), de Ascêncio de Freitas (1926-2015), esta obra surge prefaciada por Fernando Couto (1924-2013) que, num dos seus parágrafos, evoca e homenageia vários escritores moçambicanos:

 

"Que tenhamos fundadas esperanças [que algo de importante se está a processar na vida espiritual moçambicana] nada o impede; antes pelo contrário: Afonso Ribeiro, Rodrigues Júnior, Eugénio Lisboa, Vieira Simões, Ilídio Rocha, Guilherme José de Melo, Cordeiro de Brito, Rui Knopfli, Jorge Vila, Nuno Bermudes, José Craveirinha, Joaquim Sabino, Noémia de Sousa, Carlos Lança, As Cêncio de Freitas, Virgílio de Lemos, Artur M. Costa, Alberto de Lacerda e outros, são hoje presenças que é preciso ter em conta, ou porque já começaram a construir uma obra válida ou porque dentro em breve a apresentarão. E dos que a morte nos roubou não podemos esquecer Rui de Noronha e Reinaldo Ferreira."

 

Para além do que já foi referido em outros artigos sobre este autor, registe-se para a sua biografia que Nuno Bermudes nasceu em Macequece, Moçambique, tendo-se mudado aos cinco anos para o que então se designava como Metrópole. Regressou posteriormente, em 1947, a Moçambique. 

 

Como já foi anteriormente referido, extraíram-se deste volume os contos Uma Gota de Chuva e A Visita que posteriormente surgiram no opúsculo Uma Gota de Chuva (1964), publicado na Colecção Imbondeiro.

 

Os restantes contos que integram a presenta obra são Gandana, Pedra de Fogo, Um Pedaço de Vida, Os Amantes Inocentes, O Redactor de Serviço e Ciganos, o único que não apresenta um enredo de inspiração africana.

 

Do conto Gandana transcrevem-se os primeiros parágrafos:

 

"Sem fim, sem horizonte e sem caminhos, é o mato. Nele, a doçura não existe. A própria polpa dos frutos é ácida e ardente. O sol, uma ferida vermelha que não sara nunca e, de cada vez que reabre na pele cinzenta do céu, os habitantes do mato procuram a frescura negada nas florestas sombrias onde a ribeira corre e a nascente faz ouvir o seu murmúrio. Só a charu, a mamba e a jibóia se deixam ficar no capim dos tandos e as rolas sussurram na copa despida do arvoredo.

 

O mato não termina nunca. Toda a espécie de árvore e planta enche o mato sem fim, sem horizonte e sem caminhos. A micaia agreste, abrindo para o alto os dedos afiados e hostis, a maçala carregada de frutos cujo coração é áspero e azedo, o cajueiro bravio e perfumado. Léguas e léguas de desolação e aqui e além o grito colorido de uma flor desafiando a sonolenta monotonia.

 

Só quando a noite vem e a lua paira, grande e redonda como um disco de âmbar, só então os habitantes do mato deixam as florestas e surgem a vagabundear na planície. As cigarras  e os grilos iniciam a sua cega-rega e o sapo-boi atira pela noite dentro com o seu grito rouco e dissonante.

 

E esse é o mato. Esse é o mundo indecifrável e misterioso dos bichos que desafia o pé humano que o pisa a violar os seus recantos naturais que apenas os felinos, os répteis e os antílopes conhecem.

 

Ali, na orla da lângua, Gandana parou. Sob o sol brilhante que enchia de cintilações douradas a verde planície, a pele do negro luzia como aço, com estranhas reverberações azuladas e vermelhas. Dentro da sua cabeça, os pensamentos queriam ordenar-se, mas quando roçavam uns nos outros, como os ombros de uma multidão apressada, ora se repeliam ora se fundiam.

 

Então, ele disse para dentro de si:

 

 –Gandana, você não vai 'guentar...

 

No entanto, ele sabia que era só atravessar a lângua e a floresta, para alcançar a montanha e ficar livre como um chango. Via a linha de luz que, do outro lado da planura, poisava sobre a cumiada roxa do arvoredo e ouvia o manso arrulhar das rolas. Mas, insistia:

 

– Gandana, você não vai chegar na serra...

 

Deitou-se de bruços, afastou o capim e afundou os beiços na terra escura e ensopada, bebendo, com as mãos enormes e patudas cravadas no matope, de cada lado da cabeça. Parecia, assim, naquela grotesca posição, um gigantesco escaravelho acachapado."

 

© Blog da Rua Nove

publicado por blogdaruanove às 20:14 | comentar | favorito
21
Dez 13

Nuno Bermudes - Uma Gota de Chuva

Capa de Fernando Marques (datas desconhecidas).

 

Nuno Bermudes (1924-1997), Uma Gota de Chuva (1964).

 

Funcionário, em Moçambique, do Banco Nacional Ultramarino, Nuno Bermudes foi redactor do jornal Notícias da Beira, desde o início da década de 1950, tendo ainda desempenhado as funções de chefe de redacção do jornal Notícias, de Lourenço Marques [actual Maputo], em 1958.

 

Para além de ter publicado as obras anteriormente referidas (http://literaturacolonialportuguesa.blogs.sapo.pt/3842.html), em 1964 tinha já obtido o primeiro prémio de reportagem de Moçambique com Gorongosa – No Reino dos Animais Bravios, e publicado Um Machangane Descobre o Rio – Crónicas de viagem ao Rio de Janeiro.

 

Neste volume reunem-se dois contos – Uma Gota de Chuva e A Visita, originalmente publicados em Gandana e Outros Contos (1959), cujo enredo se baseia essencialmente numa recorrente analepse evocativa de violência e instinto face ao sentimento de desonra, que alterna com o presente de um caçador, Rodrigo, na primeira narrativa.

 

Na segunda narrativa, as desafiantes decisões do passado surgem como a origem de um caminho levando à presente desilusão e desalento de Isabel, mulher casada com um fazendeiro e afastada da sua origem urbana, que já não encontra qualquer razão para os sacrifícios a que se submeteu. 

 

Do conto A Visita transcrevem-se alguns parágrafos:

 

"Subiam agora as escadas de casa. Falcato abriu a porta de rede e empurrou a de madeira. Entraram e ele distribuiu-os pelas várias cadeiras da sala. Chamou a mulher e apresentou-a. Apesar da roupa mal feita, do cabelo descuidado, do abandono de todo o seu corpo prematuramente amolecido, os Serpas sentiram-na diferente.

 

Ela sorriu-lhes, Júlio reparou-lhe nos dentes alinhados e pequenos, Ramiro no seios que arredondavam a blusa.

 

Enquanto bebiam o uísque, Isabel Falcato, com um cigarro entre os dedos longos, amarelecidos pela nicotina, olhava-os de frente, observando-os, estudando cada um deles, com um desembaraço que os fazia desviar a vista. Dizia, aqui e ali, uma frase amável, marcando a presença, alisava a saia sem gosto, num gesto automático e vago. Andava pela casa dos trinta e cinco e na linha sinuosa da boca havia uma leve sombra de amargura que o sorriso, em vez de desanuviar, ainda carregava mais.

 

Falcato falava:

 

– Ora, sim senhor, meus amigos! Nem era preciso a carta! Aqui a nossa porta está sempre aberta para os vizinhos! Não é Isabel?

 

Ela encolheu o corpo. Sorriu.

 

– Os vizinhos são poucos... – articulou, e era o sorriso que falava. – Os mais próximos, até agora, que os senhores vieram, vivem a setenta quilómetros. A última vez que aqui estiveram foi há dois meses. Mas é, Alberto, a nossa porta está sempre aberta.

 

O marido alongou-se sobre a luta mantida durante quinze anos, antes de lograrem alcançar tudo aquilo, toda aquela reconfortante sensação de segurança e estabilidade. Anastácio e Ramiro bebiam-lhe as palavras, mentalmente tentavam identificar-se com ele, seguir-lhe os passos, conquistar a mesma vitória.

 

Júlio fumava em silêncio, distante das palavras que rodopiavam pela sala, os olhos perdidos na noite, que descera agora completamente, para lá da janela.

 

E, repentinamente, deu pelo olhar de Isabel fito em si, agarrado na sua carne como um ferrão persistente, doloroso. A princípio, aborreceu-o a insistência, imaginava-se, sabendo-se socialmente abaixo dela, sendo avaliado e depreciado pela interpretação patrícia da mulher citadina. Depois, duas ou três vezes, os seus olhos encontraram-se e nos dela Júlio viu, admirado, o apelo do náufrago que procura, nas ondas tumultuosas, uma ilha ou apenas um destroço. Viu, e nunca mais olhou. A impressão era agora outra, atingia-o de maneira diferente, não a conseguia explicar."

 

© Blog da Rua Nove

publicado por blogdaruanove às 22:27 | comentar | favorito
27
Jul 13

Nuno Bermudes - O Círculo de Luz (I)

Capa e desenhos de José Pádua (n. 1934).

 

Nuno Bermudes (1924-1997), O Círculo de Luz (1973).


Esta obra de Nuno Bermudes apresenta alguns aspectos extrínsecos às suas características literárias que merecem breves notas prévias.


O primeiro relaciona-se com o facto de esta obra marcar o início da breve fase editorial da Casa Salema, uma livraria cuja actividade se desenvolveu na cidade da Beira durante cerca de cinco décadas.


Profusamente ilustrada com dezassete desenhos (consideraram-se nesta categoria os desenhos reproduzidos em página inteira) e dezasseis vinhetas de José Pádua, desenhos dos mais interessantes e conseguidos na década de 1970 por este artista, a obra caracteriza-se ainda pelo belo tipo de letra escolhido para o texto das narrativas. 


O segundo aspecto relaciona-se com o interessante prefácio, de oito páginas, assinado por Fernando Couto (http://literaturacolonialportuguesa.blogs.sapo.pt/7113.html), e o terceiro com o glossário apresentado no final da obra.


Como seria de esperar, neste glossário surgem diversas designações relacionadas com a fauna – chango, charu, cudo, gondonga, impala, inhacoso, inhala, inharuguè, inhate, mamba, mussopo, oribi, pala-pala, secretário, sengo, tuca, que justificam quase só por si este apêndice com 24 entradas.


Da narrativa O Círculo de Luz transcrevem-se os primeiros parágrafos:


"No tando envolto pelo manto espesso de uma noite sem luar, a paz é qualquer coisa em que quase se pode tocar com os dedos, tão viva e tão presente ela paira sobre tudo e de tudo tão viva e tão presente se desprende.


Só o trilar de uma cigarra com insónia ou um vago rumor de asas, entre a folhagem da floresta perto, de vez em quando enruga a negra e lisa pele do silêncio que se espalha pela planície, se insinua na copa do arvoredo e voga nas lagoas e nos pântanos, docemente, entre juncais.


Imprevistamente, porém, o rosnar rouco de um motor despedaça a quietude nocturna e uma camioneta assoma, lá no extremo da planura, e adianta-se, vagarosamente, abrindo uma risca tortuosa na cabeleira crespa do capim.


Precede-a uma lâmina de luz intensa que, esgrimida por mão hábil, percorre, viola, trespassa a escuridão, reanimando as ervas e as pedras, devassando os mais ocultos recessos do mato, demorando-se aqui, perscrutando ali, logo se projectando, rápida, para além.


No seu rasto, milhões de insectos esvoaçam doidamente.


Borboletas e gafanhotos, despertos pela rude voz da máquina, atiram-se e esmagam-se de encontro ao rosto impávido do monstro metálico que, inexoràvelmente, avança."


© Blog da Rua Nove

publicado por blogdaruanove às 13:17 | comentar | favorito
22
Mar 10

Nuno Bermudes - Exílio Voluntário

 

Nuno Bermudes (1924-1997), Exílio Voluntário (1966).

Capa de José Pádua (n. 1934).

 

Nuno Bermudes teve o seu percurso literário marcado pela poesia, por Moçambique e pelo Brasil. A sua primeira obra, O Poeta e o Tempo, foi publicada em 1951. No seu percurso poético seguiram-se, entre outras, a presente obra, As Paisagens Perdidas e Outros Poemas (1980) e Brasil Redescoberto: Poesia Atlântica (1983).

 

Em prosa, publicou, entre outras obras, Gandana e Outros Contos (1959) e Eu, Caçador, e Tu, Impala e Outras Histórias de Homens e Bichos (1983), esta última retomando o título de um poema de Exílio Voluntário.

 

Nuno Bermudes esteve no centro de uma polémica que o opôs ao escritor Craveirinha (1922-2003), episódio que será posteriormente referido neste espaço.

 

A vivência brasileira do autor deixou marcas na sua obra, como nesta colectânea onde surgem dois poemas relativos ao Brasil, Descoberta e Canção do País de Cecília, o último dedicado à poetisa brasileira Cecília Meireles (1901-1964). O Brasil voltaria ainda a ser evocado no seu ensaio Dinah Silveira de Queiroz, sob o Signo da Imortalidade (1981).

 

Dividido em três partes – Exílio Voluntário, Diário de Viagem e Alguns Poemas de Amor, o livro Exílio Voluntário apresenta três temáticas bem diferenciadas. África e as suas metamorfoses, o Brasil, e o amor, através de uma certa expressão que roça o erotismo.

 

De Alguns Poemas de Amor transcreve-se o poema Mapa-Sexo:

 

  "Nossos corpos desenharam nos lençóis

   o mapa de um país imaginário

   – e neles abrimos rios,

   descobrimos oceanos,

   erguemos, entre gritos e gemidos,

   cumes de montanhas,

   desbravámos florestas,

   neles nos perdemos

   e, depois, nos encontrámos,

   deixámo-nos cair,

   exaustos,

   em abismos,

   morremos

   e ressuscitámos."

 

 

© Blog da Rua Nove

publicado por blogdaruanove às 14:56 | comentar | favorito